Um rolê muito doido em Florianópolis

Lagoinha do Leste é uma praia no sul de Florianópolis. Por estar escondida dentro de um parque municipal, não existem estradas ou ruas para se chegar até ela. O acesso é somente por trilhas, que levam em média 4 horas ida e volta. Também tem uma opção via barco para os que não desejam — ou não podem — caminhar. Fui até esse paraíso duas vezes e vou contar detalhes nesse artigo do Salve Jack.

morro da coroa lagoinha do leste
A famosa pedra da coroa.

Via terrestre, existem duas trilhas de acesso. A mais difícil é a travessia pela Praia do Matadeiro — como o próprio nome diz — se dá através de um caminho que liga a praia da Armação a praia do Matadeiro. O caminho, por ser estreito, só pode ser feito a pé.  Chegando na praia do Matadeiro, no fim da faixa de areia existe o acesso para a trilha, que é sinalizado. Dificuldade 2 de 5.

Trecho da trilha via praia do Matadeiro.

O percurso é — em sua maioria — formado por trilha aberta passando por diversas encostas que dão para o mar aberto. Um visual de tirar o fôlego, onde pude avistar golfinhos nadando no mar, que no dia estava com um intenso tom de azul. 

A trilha passa por diversas encostas que ficam a poucos metros do mar formando penhascos.

Como qualquer outra trilha, exige cuidados. São subidas e descidas a todo momento no chão rochoso. Em alguns momentos, as encostas ficam a poucos metros do mar formando penhascos, onde houve histórico de acidentes — que poderiam ter sido facilmente evitados tomando as devidas precauções.

Um dos trechos mais bonitos da travessia.
Lembrando que fazer isso é arriscado e exige treinamento!!

Nas minhas duas incursões presenciei um resgate aéreo de uma mulher — que estava fazendo a trilha de CHINELOS —  que havia escorregado e bateu a cabeça em uma pedra. E também, uma pessoa que, devido a exposição a altura estava tendo crise de labirintite e precisou ser socorrida.

Via Matadeiro, os 5 km da trilha exigem preparo físico e roupa adequada, levando em torno de duas horas para se chegar à Lagoinha. Deve ser feita usando tênis, devido ao chão ser repleto de pedras. Boné ou chapéu, pois a trilha é aberta e o sol castiga. Calça e luva, pois a vegetação é cheia de espinhos. E muita água. Também recomendo ir com um guia autorizado.

Trecho da trilha via pântano do sul.

A outra trilha é via Pântano do Sul. Um caminho bem mais tranquilo, onde a trilha é por dentro da vegetação, que já possui chão batido. O percurso também é de aproximadamente 5 km, levando por volta de 2 horas para se chegar à Lagoinha. Um caminho mais fácil, fresquinho e seguro, porém — tirando um trecho ou outro — quase sem vista.

Chegando na Praia, eu senti um profundo sentimento de gratidão por ter completado o percurso em segurança. Que presente! Diante dos meus olhos estava um paraíso intocado, com alma própria. As ondas de mar bravo tinham um tom lindo de azul.

Por ser uma praia que recebe maré de mar aberto, a água é bem gelada devido a corrente marítima que chega das Malvinas. Entrei e já saí, tremendo kkk. O mar bastante agitado, é Ideal para a prática de surf e windsurf. Também venta muito. 

Sem luxo. Na praia, tem 3 barraquinhas rústicas que vendem bebidas e algumas opções de comida. Sou a favor de apoiar a economia local, mas leve sua água e seu lanche —  uma água de coco pode custar até R$ 15. Sem lixo também, tudo o que você consumir, inclusive lixo orgânico, deve ser levado de volta com você! 

lagoinha do leste
Ao centro, a famosa lagoa que dá nome a praia.

No fim da faixa de areia da praia, existe uma lagoa incrível. Nadei em toda a sua extensão, sendo rasa em sua maioria.  A água é calma e incrivelmente morna. Nas margens, formadas por dunas, o pessoal acampa e faz luau. Procurei a explicação geológica para a formação da lagoa, mas não achei nenhum artigo, sorry. 

lagoinha do leste
Água é calma e incrivelmente morna com dunas nas margens.

Ao lado da Lagoa existe um morro de 230 metros de altura com diversas formações rochosas em seu topo que lembram uma coroa, por isso, sendo chamado de Morro da Coroa. Como eu optei por fazer a ida via Matadeiro e o retorno via Pântano do Sul, inevitavelmente tive que subir esse morro. 

morro da coroa lagoinha do leste
Formações rochosas em seu topo que lembram uma coroa.

A subida, que leva em torno de 1 hora, começa na praia e é bastante íngreme. Devido a  erosão, possui muitas pedras soltas e exige o dobro de cuidado. Em alguns momentos a caminhada vira escalaminhada. 

lagoinha do leste santa catarina
A vista do cume do morro da coroa.

Ao chegar no cume, meu esforço foi completamente recompensado. A vista surpreendente permitia observar toda a extensão da praia e uma grande faixa de mar e mata atlântica. Aproveitei para tirar fotos na famosa pedra da coroa, uma rocha que lembra uma prancha de surf, suspensa no desfiladeiro.

lagoinha do leste morro da coroa
No morro da coroa é possível ver uma grande faixa de areia e mata atlântica.

Infelizmente, só consegui subir o morro da Coroa em 2017. Na minha ida seguinte, em 2018, a erosão já estava tão avançada que fomos recomendados a não fazer o percurso. Ficamos sabendo da história de uma mulher que se acidentou nas pedras, e isso nos desencorajou. Fica sussi, a mulher não morreu. Mas infelizmente, quebrou alguns membros e se ralou toda.

A lagoinha do Leste é um raríssimo caso de praia selvagem tão cheia de beleza, que me fez ir duas vezes seguidas. Um destino paradisíaco, remoto, e inabitado com paisagens que lembram outros locais remotos como Terra do Fogo e Nova Zelândia. Um lugar, que por não haver mansões a beira mar ou estacionamentos, todos se tornam iguais.

Published by Guto

Pai Pet, dono de cinco suculentas. Blogueiro e Ilustrador. Roller boy. Blood marry é horrível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *